Sai ao sábado #4

Uma constatação dos últimos tempos tem sido que correr abre o apetite! Desde que comecei a levar esta coisa dos treinos mais a sério que sinto necessidade de comer com mais frequência e às vezes a vontade é de comer tudo o que encontro no frigorífico… mas cá me vou controlando. De qualquer forma, esta não é uma grande novidade, gasta-se mais energia, é necessário repô-la! O que é importante (e isto, claro, também estamos fartos de saber) é como fazer esta reposição dando ao corpo o que ele precisa para reconstruir músculos e ter combustível suficiente e adequado para correr quilómetros a fio. Digamos que a ideia é tentar não pôr gasóleo num motor a gasolina (já aconteceu a alguém?) porque o resultado, já se sabe, é acabar parado à beira da estrada, à espera da assistência técnica.

Ora, no meu caso, a questão da alimentação traz mais alguns desafios. Escolhi, não tanto por questões de saúde, mas mais por questões éticas e ecológicas, fazer uma alimentação essencialmente à base de plantas. Questões relacionadas com a nutrição à parte (este tema vai dar certamente origem a muitos outros posts), a verdade é que por causa desta escolha, acabo por cozinhar muito – coisa que adoro – para garantir que o que como é o mais nutricionalmente rico e equilibrado possível. E em particular em altura de treinos, é fundamental garantir que as proteínas, os hidratos de carbono, as vitaminas e os minerais estão todos presentes.

Gosto muito de inventar na cozinha e é bem conhecida a minha incapacidade de seguir uma receita à letra. Surpreendo-me muitas vezes e sim, há experiências que correm menos bem, mas na maioria dos casos o resultado não é mau de todo. Para me inspirar e continuar a aprender, vou lendo bastante e sigo uma série de blogs dedicados à cozinha vegetariana. As sugestões de leitura de hoje são exactamente duas destas fontes de inspiração a que tenho recorrido ultimamente, e valem para toda a gente (vegetarianos ou não):

– Só descobri o Compassionate Cuisine há uns meses, quando andava à procura de blogs dedicados à alimentação vegetariana que fossem escritos em português. Para além das fotos lindíssimas, que me fizeram querer experimentar logo uma série de receitas, o que me cativou desde o início foi identificar-me tanto com a filosofia do blog. Mais uma vez a palavra-chave é equilíbrio e este está bem descrito na apresentação da Márcia, que reforça a ideia de que o vegetarianismo é uma escolha pessoal e não forçosamente melhor ou mais saudável que uma outra dieta equilibrada. Para quem queira saber um bocadinho mais, há uma secção sobre nutrição vegetariana que responde a algumas das perguntas mais frequentes. As receitas apresentadas no blog estão muito bem descritas, são fáceis de fazer e usam ingredientes a que facilmente temos acesso. Com os dias de sol vão bem uns hambúrgueres e uma salada? Experimentem estes. E para quem gosta de um docinho de vez em quando, espreitem estes brownies. É preciso dizer mais alguma coisa para vos convencer?

– Uma das melhores prendas de aniversário que recebi há umas semanas atrás foi o livro Vegetariano Todos os Dias. A Cris conhece-me bem e sabe que este a combinação livro + cozinha é suficiente para me pôr um grande sorriso na cara, mas desta vez escolheu particularmente bem! Eu já seguia o blog Green Kitchen Stories há uns anos, mas com tanta informação a que temos acesso hoje em dia, a verdade é que já não passava no blog há algum tempo. O livro acabou, portanto, por ser uma surpresa muito boa. Está traduzido para português e as receitas que inclui são simples, aparentemente fáceis de executar e, mais uma vez, sem ingredientes “exóticos”. Já li o livro de ponta a ponta e vou começar a experimentar as receitas que escolhi, que são quase metade das que estão no livro. Prometo voltar com comentários e fotos das experiências!

Boas leituras e bom proveito!