Cofidis Corrida de Santo António

Esta corrida não estava nos meus planos iniciais, mas depois de ter sido inscrita e do dorsal estar em casa não havia volta a dar. Confesso que estava nervosa e a caminho do Rossio ia-me perguntando o que é que estava ali a fazer! Afinal, havia várias coisas que podiam correr mal: não fazia 10k seguidinhos desde a SNR, pelo caminho perdi peso, perdi músculo, fiquei com um olho meio afanado e ainda não tinha a certeza de que aquilo que tinha comido durante o dia ficasse no organismo até à hora da prova! Mas lá segui com um único plano: ir nas calmas!

À chegada ao Rossio comecei a animar. Apesar de estar a viver em Lisboa há quase seis anos, acho que só agora é que comecei a perceber o que é o espírito dos Santos Populares. Ao passar pelos bairrinhos que existem junto ao Campo das Cebolas já só se viam balões, fogareiros e luzinhas de muitas cores. Pelo Terreiro do Paço os turistas misturavam-se com os preparativos para as comemorações do 10 de Junho e gente a seguir o rasto das sardinhas e bifanas. Conclusão: quando cheguei à partida, metade das preocupações já estavam em segundo plano.

A prova é pequena, ou por outra, tem o que me parece ser o número ideal de participantes – 3000 – e não tem outras provas à mistura. Não há caminhadas, micro maratonas, ou que quer que seja o que quer dizer que quem está lá só vai mesmo pelos 10k. Por outro lado, as caixas de tempo funcionaram bastante bem e não foi preciso, mesmo para pastéis como eu, andar a fazer gincanas entre as atletas dos saquinhos às costas.

A organização – HMS Sports – esteve impecável: dois abastecimentos, chegada à meta desanuviada (pelo menos para quem fez o meu tempo) e um manjerico no final que fez, e muito bem, a vez de uma medalha. Adorei o detalhe do envio de SMS a dar a classificação e os tempos. Sempre evitou aquele jogo do ir ao site e estar a fazer refresh até ter novidades.

O menos bom foi mesmo o percurso! Já perdi a conta ao número de vezes que fiz aquele trajecto, já confundo as provas que por ali passam! Faz-se muito bem, é uma prova boa para melhorar tempos mas… Será que não podia haver uma alternativa, com umas descidas, já que o lema da prova é “todos os santos ajudam” (como sugeriu o meu homem)? Fica a dica.

Quanto a mim: deu-me o gozo porque, em certa medida, foram os meus primeiros 10k! Confesso que se não fosse acompanhada pelo meu cunhado, aí pelos sete quilómetros tinha optado por ir andar. Só não parei mesmo por vergonha e porque não tinha uma boa desculpa para dar ao meu parceiro. No final consegui fazer a distância sem parar, não aconteceu nenhum imprevisto, até me senti bem e não fiz um tempo que me envergonhe muito.

Vai para o lote das “corridas que valem a pena”!